logo da fundação mudes

Sou Estudante

Quem somos

Fome se agrava no Estado do Rio e atinge cerca de 2,8 milhões de pessoas

Canal Mudes

Entre 2018 e 2022, o Estado registrou um aumento de 400% no número de habitantes sem ter o que comer

Os dados – extraídos do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, da Rede PENSSAN –, foram apresentados, quinta-feira (23/06), no Encontro Nacional Contra a Fome, organizado pela Ação da Cidadania, evidenciando que a desigualdade quanto à cor, ao gênero e à escolaridade são preponderantes quando o assunto é fome.

 

A fome tem CEP, gênero e cor”, declarou o diretor executivo da Ação da Cidadania, Rodrigo Kiko Afonso.

 

Os dados constatam que, dentre os homens chefes de família, 50% estão em situação de segurança alimentar; já com relação às mulheres responsáveis pelo sustento do lar, somente 36,33% vivem sem restrições alimentares.

 

Quando o recorte da pesquisa é a cor da pele, a análise aponta que 37,61% dos negros e pardos chefes de família sofrem com a insegurança alimentar grave. Já os 55,63% que se declaram brancos não enfrentam nenhuma restrição.

 

A escolaridade também é um aspecto significativo e de grande influência nos dados sobre a fome, demonstrando que 37,5% das pessoas com baixa escolaridade (não estudaram ou estudaram até 4 anos letivos) quase não têm o que comer; no entanto, 74% dos que estudaram mais de oito anos não sofrem com restrições alimentares.

 

O diretor da Ação da Cidadania ressaltou, ainda, que fome e baixa escolaridade estão intrinsecamente ligadas, visto que a criança que não tem o que comer em casa interrompe os estudos para trabalhar.

 

No quesito ocupacional, cerca de 70% das pessoas que estão desempregadas sofrem com insegurança alimentar moderada ou grave, ou seja, passam fome. O endividamento também é uma causa relevante da falta de comida em casa.

 

No mundo, cerca de 193 milhões de pessoas não têm o que comer

Segundo dados divulgados pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), entre 2016 e 2021, o número de pessoas atingidas pela fome cresceu cerca de 80%, passando de 108 milhões para 193 milhões (cerca de 24% da população mundial). As causas podem ser atribuídas aos conflitos armados ao redor do mundo e aos impactos gerados pela pandemia da COVID-19.

 

Visando conter esta crise alimentar, representantes de organizações mundiais, como a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), se reuniram na Cidade do Rio de Janeiro para o painel “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e Segurança Alimentar”.

 

No evento, os participantes debateram sobre desenvolvimento sustentável, fome zero, agricultura sustentável, parcerias e meios de implementação.

 

Dentre as soluções propostas, o UNICEF destacou que o investimento em crianças que ainda estão na primeira infância é um dos caminhos estratégicos para erradicar a fome no mundo.

 

De acordo com o estudo “Alimentação na primeira Infância”, publicado pelo UNICEF em 2021, 80% das crianças consumiram ultraprocessados no dia anterior à pesquisa; e 72% delas já deixaram de fazer alguma refeição.

 

Clique no link abaixo e confira o evento na íntegra!

https://youtu.be/cfVc5mB-8lg

 

 

Para apoiar o “Pacto pelos 15% com Fome” da Ação da Cidadania, clique aqui.

Gostou do conteúdo? Clique aqui e tenha acesso a outras matérias da Fundação Mudes.

Compartilhe esse artigo:

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja a nossa nova Política.