Quem somos

Bullying – orientações para acolher a vítima e evitar a prática

Canal Mudes

O bullying é uma prática reiterada de atos intimidatórios, de natureza física ou psicológica, com a intenção de prejudicar a vítima, podendo, inclusive, ocorrer virtualmente, com ataques on-line (cyberbullying). 

  

Algumas agressões são mais evidentes, como xingamentos ou uso de violência física (desigualdade entre o agressor e a vítima); todavia, outros fatores também podem provocar sofrimento, por exemplo, humilhação pública, discriminação, isolamento social, apelidos etc. 

  

Uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) sobre violência contra crianças revela um dado muito preocupante: um em cada três jovens de 30 países afirma ter sido vítima de bullying on-line. O estudo também mostra que um em cada cinco participantes declara que saiu do colégio em razão do cyberbullying e da violência. Responderam à pesquisa mais de 170 mil jovens, entre 13 e 24 anos, incluindo brasileiros. 

  

No Brasil, 37% dos entrevistados relataram já ter sido vítima de cyberbullying. As redes sociais foram apontadas como a maior origem do bullying on-line, com predominância para o Facebook.  

  

Os jovens brasileiros (36%) também disseram já ter faltado à escola após ter sofrido bullying on-line de colegas de classe, posicionando o Brasil como o país com a maior porcentagem neste quesito. 

  

A Organização das Nações Unidas também realizou uma pesquisa sobre o mesmo assunto com 100 mil crianças e jovens de 18 países. O estudo evidenciou que, em média, metade dos entrevistados já sofreu algum tipo de bullying por motivos, como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem. No Brasil, 43% dos entrevistados relataram já ter passado por algum tipo de bullying. 

  

O bullying pode ocorrer em qualquer ambiente do nosso dia a dia, seja no colégio, trabalho, na relação com vizinhos, isto é, em todo local em que se convive com outras pessoas.  

  

A valorização da diversidade, o comportamento ético, a solidariedade e o respeito são temas importantes que devem ser sempre abordados nas escolas. Tanto a vítima quanto o agressor precisam ser tratados. Em muitos casos, o acompanhamento psicológico é importantíssimo para tratar as sequelas e auxiliar as crianças na relação com os estudos, a família e as emoções.  

  

A instituição deve estar sempre atenta e realizar, constantemente, trabalhos de acompanhamento dos alunos e familiares para evitar, tratar e prever casos de bullying nas escolas ou em qualquer outro lugar. 

 

Gostou do conteúdo? Clique aqui e tenha acesso a outras matérias da Fundação Mudes. 

Compartilhe esse artigo:

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja a nossa nova Política.